Atrações Turísticas

Conheça nossos pontos turísticos.

Santa Cruz

O Sr. Altair Marassi, descendente dos primeiros italianos da Colônia de Porto Real e antigo morador do município, foi administrador do cemitério da cidade e narrou que durante o período do Brasil Império faleceram dois bebês gêmeos, descendentes de escravos e que, por esse motivo, não puderam ser enterrados no cemitério principal, sendo sepultados no local onde está construída a pequena capela de Santa Cruz.

Rio Paraíba do Sul

O mais importante rio do Estado do Rio de Janeiro, circunda cerca de 2/3 do município de Porto Real. No passado foi utilizado para o transporte da cana-de-açúcar para abastecer o Engenho Central. Servia também para o transporte de passageiros, com destaque para D. Pedro II, que, quando visitava o lugarejo, desembarcava em um pequeno porto às margens do rio, inspirando o nome da cidade – Porto Real. Suas águas calmas formam um lindo espelho que encanta admiradores da natureza.

Praça Vittorio Emanuele

Localizada em frente à Igreja da Matriz, a praça é uma homenagem dos colonos ao Rei Vittorio Emanuele II. Porém, na 2ª Guerra Mundial, o busto do rei foi acusado de conspiração contra os aliados, sendo retirado pelo Chefe da Polícia de Resende e nunca mais foi visto, causando grande tristeza entre os colonos que muito honravam o rei de seu país. Atualmente, existe um busto de Enrico Secchi que organizou a viagem dos imigrantes e os auxiliou durante os primeiros anos da Colônia.

Ponte de Ferro

Construída em 1916 sobre o Rio Paraíba do Sul, faz a ligação entre Quatis e Porto Real. Visava, no passado, o transporte de mercadorias e a passagem de tropas que passavam pela região. Sua estrutura foi importada da Inglaterra.

Matriz de N. Srª das Dores

Uma bela construção datada de 1910, a igreja tem estilo neoclássico e foi edificada no centro da colônia para abrigar a imagem de N. Sra. Das Dores - Madonna Addolorata - que os primeiros imigrantes trouxeram da Itália em 1874. Na parte externa existe uma cancha para a prática da boccia (a nossa bocha), um jogo de origem italiana ainda muito praticado pelos descendentes.

Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 08h às 11h. Sábado, das 12h30 às 16h Domingo, às 19h30 – Santa Missa. Tel: (24) 3353-4173.

Horto Municipal

Construído numa área de aproximadamente 10 mil m², o Horto Municipal é uma belíssima área de lazer. Conta com pista para caminhada em meio a árvores de diversas espécies, parquinho para a diversão dos pequenos, teatro de arena, bancos e mesas ao ar livre para a prática de jogos como dama, xadrez e dominó, sala de eventos para a realização de atividades culturais, fontes luminosas e Quiosque do Sabor.

Horário de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 06h às 22h.

Fonte D’água e Ponte D. Pedro

A Fonte D’água e a Ponte sobre o córrego foi o que restou das instalações da Fazenda D. Pedro II, que contava ainda com um pequeno balneário. No local havia duas casas, um lindo bosque e um balneário que era utilizado pela Família Real quando em passagem por Porto Real.

Casa do Imigrante

A Casa do Imigrante conta a história dos imigrantes italianos de Porto Real através de um rico acervo formado por fotos, objetos, documentos e recortes de jornais que foram doados por suas famílias com a finalidade de promover o resgate da cultura italiana no município. A Casa do Imigrante está localizada no interior do Horto Municipal.

Horário de funcionamento: de terça a sexta-feira, das 08h às 12h e das 13h às 16h. Tel.: (24) 3353-1221

Antiga Usina Açucareira

Para beneficiar a cana-de-açúcar produzida no município, foi criada o Engenho Central Porto Real por uma autorização do Imperador Dom Pedro II, em 26 de abril de 1879, via Decreto n° 7.257, que autorizou a estipulação de um contrato entre o governo Imperial e Ângelo Eloy da Câmara, presidente da Companhia União Agrícola, para a constituição de um engenho central em Porto Real.

Primeira indústria local, produzia prioritariamente produtos da destilação de cana-de-açucar. "Com tijolos de fabricação local e telhas vindas da França, a inauguração do Engenho Central de Porto Real só se realizou cinco anos mais tarde, na data comemorativa do 1° centenário da queda da Bastilha, em 14 de julho de 1889, em homenagem ao Conde D’Eu, francês e um dos sócios do empreendimento".

Transformou--se mais tarde na 'Assucareira Porto Real' e depois na Companhia Fluminense de Refrigerantes, a fábrica da coca-cola. Ainda hoje, preserva suas características originais e tornou-se um cartão postal da cidade.